Mais ouvidas em 2020

Em 2020 Jorge Drexler monopolizou as minhas audições. Cheguei ao disco Salvavidas de Hielo após ver o show do uruguaio no Tiny Desk Concert da NPR, e não ouvi outra coisa por muito tempo. Também gostei bastante da trilha de The Eddy, que teve alguns episódios dirigidos por Damien Chazelle e redescobri o V, do Legião Urbana.


Desde 2016 venho listando aqui no blog as minhas estatísticas de músicas e discos ouvidos. Os anos anteriores ficaram assim:2019, 2018, 2017 e 2016 e 2004.

Todos as estatísticas anuais estão reunidas aqui.

Bicicleta e Steven Gerrard

Hoje acordei consideravelmente bem após alguns dias lidando com uma forte ansiedade. Levantei disposto para organizar as minhas contas e saí para dar um passeio de bicicleta, coisa que desde o início do isolamento eu vim protelando.

Foi um exercício excelente ter saído para pedalar. A princípio a minha ideia era dar algumas voltas pelos quarteirões mais próximos aqui de casa, mas durante o percurso decidi ir até Ponta Negra, mas especificamente até a praça do disco voador. No caminho, perto da minha antiga morada na Rua Praia de Simbaúma encontrei Tiago, amigo de infância. Ele estava com uma banquinha na praça vendendo macaxeira e feijão verde. O cumprimentei da bicicleta e combinei de passar lá algum dia.

Ontem à noite consegui dormir bem. Estava com a musculatura dos braços e ombros muito tensa e fiquei com receio de ter dificuldades para pegar no sono. Pouco antes de me entregar aos braços de Morfeu, assisti Make Us Dream, um documentário sobre a trajetória de Gerrard no Liverpool. Achei bem mediano. Acredito que os documentários sobre Michael Jordan e o Sunderland, que assisti recentemente subiram bastante a minha régua e fui com uma expectativa relativamente alta.

No geral, achei o filme mal escrito e mal montado. O material à disposição era riquíssimo. Muitas imagens da infância e adolescência de Steven G, sem falar nos registros mais recentes. Mas o documentário constrói uma narrativa muito frouxa sobre a vida do jogador. Basicamente uma ponte entre a final da Champions, em 2005 e o escorregão no jogo contra o Chelsea, mais à frente, que viria a comprometer o título da Premier League. Foi bacana ter acesso a informações de bastidores até então desconhecidas por mim, como o fato de ele ter estado prestes a se transferir do Liverpool para o Chelsea.

Filmes vistos em 2019


Montagem automática gerada pelo Letterboxd com os pôsteres de todos os filmes que assisti em 2019

Desde 2016 passei a registrar os filmes que assisto. Foi quando comecei a utilizar o Letterboxd, uma rede social/plataforma voltada para cinema. Além do fator social, de poder acompanhar o que as pessoas que você segue têm assistido e que impressões têm postado, o Letterboxd tem um sistema de estatísticas fantástico que gera dados a partir das películas que você registra por lá.

No meu year in review de 2019, a plataforma me avisa que assisti 28 filmes ao todo.

Seguem abaixo algumas estatísticas geradas pelo Letterboxd para os filmes que assisti ao longo do ano.


Resumo 2019


Distribuição anual e semanal de filmes assistidos


Primeiro e último filmes assistidos em 2019


Filmes assistidos por país


Gêneros, países e idiomas


Diretores mais assistidos em 2019


Atores e atrizes mais assistidos em 2019


Desde 2016 venho reunindo aqui no blog as estatísticas que o Letterboxd gera a cada ano. Veja como foi nos anos anteriores: 2022, 2021, 2020, 2019, 2018, 2017, 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Livros lidos em 2019

Esse foi mais um ano de leituras monopolizado por Haruki Murakami. Mais uma vez, mantendo a tradição por aqui, segue a relação de livros lidos ao longo do ano, com alguns comentários sobre os títulos que mais me chamaram a atenção.

D. Pedro I (Coleção Perfis Brasileiros)
Isabel Lustosa

Da coleção “perfis brasileiros” eu já tinha lido a biografia de D. Pedro II escrita por José Murilo de Carvalho. Num momento em que muitas publicações sobre personalidades históricas tendem a focar em aspectos pitorescos dos biografados ou em outros com apelos mais populares como os detalhes dos relacionamentos do próprio D. Pedro I enfocados em Titília e o Demonão: Cartas Inéditas De D. Pedro I À Marquesa De Santos, é reconfortante ter acesso a um texto como o de Isabel Lustosa, que alia rigor acadêmico a uma linguagem mais descompromissada e, também importante, dá contexto a certos estereótipos que o senso comum foi erigindo sobre o filho de D. João VI e Carlota Joaquina.

Romancista como vocação
Haruki Murakami

Em Do que eu falo quando falo quando falo de corrida eu já tinha apreendido aspectos importantes sobre o método de trabalho de Murakami, sobretudo a relação que ele estabelece entre a escrita e a prática da corrida. Mas em “Romancista como vocação”, o autor japonês vai além ao apresentar desde o processo em que se reconheceu como escritor, até detalhes como o fato de no início da carreira, ao buscar um estilo de escrita mais objetivo, ter escrito alguns textos originalmente em inglês - língua para a qual o seu vocabulário era obviamente mais reduzido - e só então traduzi-los para o japonês.

O grande fora da lei: a origem do GTA
David Kushner

A despeito do título, que sugere o foco no GTA enquanto fenômeno, o livro de David Kushner acaba apresentando um ensaio bastante competente que analisa a ascensão do videogame como mídia, ao longo da década de 1990, e a reação de setores mais conservadores da sociedade estadunidense ao próprio GTA e a outros jogos semelhantes. Achei muito bem fundamentada a contextualização do cenário em que os videogames foram alçados à condição de bode expiatório para questões complexas daquele país como a violência resultante do acesso descomplicado a armas de fogo, e sobretudo as possíveis consequências para crianças e adolescentes do uso indiscriminado daquela forma de entretenimento.

O elefante desaparece
Haruki Murakami

O incolor Tsukuru Tazaki e os seus anos de peregrinação
Haruki Murakami

Mais uma vez uma obra do escritor japonês me deixa em estado reflexivo. Pelos registros que mantenho no meu Goodreads, esse é o sétimo livro que leio do autor. Antes, passei por Do que eu falo quando eu falo de corrida, 1Q84, Kafka à Beira Mar, Norwegian Wood, O elefante desaparece e Romancista como vocação

Algumas temáticas recorrentes nos títulos que eu já havia lido reparecem nesse “Incolor Tsukuru”, mas não chegam a desabonar a obra para mim. Muitas referências a comida, exercícios físicos e música, muita música. Mais uma vez a música assume um papel central no texto de Murakami, como um personagem que ajuda a dar sentido à narrativa. De alguma forma, a maneira como o japonês se utiliza da música me faz lembrar alguns filmes da Nouvelle Vague francesa, em especial Um Homem, Uma Mulher, em que Claude Lelouch explora execuções musicais de uma forma que me tocou bastante.

Pela primeira vez, senti algum incômodo com o estilo de narrativa do autor. Não sei se deixei passar batido na leituras anteriores, ou se é realmente uma questão específica do livro que acabei de ler, mas percebi uma adjetivação exagerada nas descrições de cenários e personagens, recurso que, na minha opinião, tolhe do leitor a possibilidade de concluir por si só alguns aspectos da narrativa, bem como de criar seus próprios julgamentos sobre características de personagens.

Mas, sem dúvidas, um aspecto que sempre me chama a atenção nos escritos desse romancista nipônico, é o viés de disciplina que sempre emerge de alguns de seus personagens. A natação quase sagrada de Tsukuru, a dedicação de Preta no trato com a cerâmica. Sempre que me deparo com esse elemento tão ressaltado da cultura oriental, tenho a vontade de trabalhar um pouco mais a disciplina na minha rotina. Seja em busca de uma alimentação mais saudável ou de uma rotina de atividades físicas mais regulares, seja na organização da minha vidaprofissional.

Mais uma vez, os personagens de Haruki Murakami trazem pra mim esse insigth da disciplina.


Desde 2016 venho listando as minhas leituras anuais. Veja que livros foram lidos por aqui em anos anteriores: 2018, 2017, 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Mais ouvidas em 2019

O show de Los Hermanos em João Pessoa, em abril desse ano, me fez revisitar a discografia da banda. O Bloco do Eu Sozinho continua como vinho, e com exceção de Tão Sozinho que parecem sobra do disco de estreia, é um trabalho atemporal.

Também gostei demais do disco solo de Teago Oliveira, do Maglore. Destaque para a pedrada Corações em Fúrias.


Desde 2016 venho listando aqui no blog as minhas estatísticas de músicas e discos ouvidos. Os anos anteriores ficaram assim: 2018, 2017 e 2016 e 2004.

Todos as estatísticas anuais estão reunidas aqui.

Mais um Murakami para a conta

Acabo de ler O incolor Tsukuru Tazaki e os seus anos de peregrinação, de Haruki Murakami e mais uma vez uma obra do escritor japonês me deixa em estado reflexivo. Pelos registros que mantenho no meu Goodreads, esse é o sétimo livro que leio do autor. Antes, passei por Do que eu falo quando eu falo de corrida, 1Q84, Kafka à Beira Mar, Norwegian Wood, O elefante desaparece e Romancista como vocação

Algumas temáticas recorrentes nos títulos que eu já havia lido reparecem nesse “Incolor Tsukuru”, mas não chegam a desabonar a obra para mim. Muitas referências a comida, exercícios físicos e música, muita música. Mais uma vez a música assume um papel central no texto de Murakami, como um personagem que ajuda a dar sentido à narrativa. De alguma forma, a maneira como o japonês se utiliza da música me faz lembrar alguns filmes da Nouvelle Vague francesa, em especial Um Homem, Uma Mulher, em que Claude Lelouch explora execuções musicais de uma forma que me tocou bastante.

Pela primeira vez, senti algum incômodo com o estilo de narrativa do autor. Não sei se deixei passar batido na leituras anteriores, ou se é realmente uma questão específica do livro que acabei de ler, mas percebi uma adjetivação exagerada nas descrições de cenários e personagens, recurso que, na minha opinião, tolhe do leitor a possibilidade de concluir por si só alguns aspectos da narrativa, bem como de criar seus próprios julgamentos sobre características de personagens.

Mas, sem dúvidas, um aspecto que sempre me chama a atenção nos escritos desse romancista nipônico, é o viés de disciplina que sempre emerge de alguns de seus personagens. A natação quase sagrada de Tsukuru, a dedicação de Preta no trato com a cerâmica. Sempre que me deparo com esse elemento tão ressaltado da cultura oriental, tenho a vontade de trabalhar um pouco mais a disciplina na minha rotina. Seja em busca de uma alimentação mais saudável ou de uma rotina de atividades físicas mais regulares, seja na organização da minha vidaprofissional.

Mais uma vez, os personagens de Haruki Murakami trazem pra mim esse insigth da disciplina.

Finalizo esse texto na indecisão sobre que livro começarei a ler na sequência. Estavam nos meus planos iniciar a trilogia biográfica de Getúlio Vargas escrita por Lira Neto, concluir O fim do homem soviético, que é gigante, mas já avancei para além da metade, mas devo começar outro ainda não lido de Murakami.

Enquanto isso, vou aqui no Irachai do Midway pegar alguns sushis e sashimis para o almoço.

Filmes vistos em 2018


Montagem automática gerada pelo Letterboxd com os pôsteres de todos os filmes que assisti em 2018

Desde 2016 passei a registrar os filmes que assisto. Foi quando comecei a utilizar o Letterboxd, uma rede social/plataforma voltada para cinema. Além do fator social, de poder acompanhar o que as pessoas que você segue têm assistido e que impressões têm postado, o Letterboxd tem um sistema de estatísticas fantástico que gera dados a partir das películas que você registra por lá.

No meu year in review de 2018, a plataforma me avisa que assisti 24 filmes ao todo.

No geral foi um ano em que assisti a muitas séries e acabei vendo bem menos filmes do que gostaria. Dos que consegui assistir, os que mais me marcaram foram Call me By Your Name (o monólogo do fim do filme é um das cenas mais marcantes dos últimos tempos para mim), Love is Strange e Little Man (ter descoberto a filmografia de Ira Sachs foi uma grata surpresa).

Seguem abaixo algumas estatísticas geradas pelo Letterboxd para os filmes que assisti ao longo do ano.


Resumo 2018


Distribuição anual e semanal de filmes assistidos


Primeiro e último filmes assistidos em 2018


Filmes assistidos por país


Gêneros, países e idiomas


Diretores mais assistidos em 2018


Atores e atrizes mais assistidos em 2018


Desde 2016 venho reunindo aqui no blog as estatísticas que o Letterboxd gera a cada ano. Veja como foi nos anos anteriores: 2017, 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Livros lidos em 2018

Mantendo a tradição por aqui, segue a relação de livros lidos ao longo do ano, com alguns comentários sobre os títulos que mais me chamaram a atenção.

Confesso que perdi: memórias
Juca Kfouri

Dados e homens: a história de Dungeons & Dragons e seus jogadores
David M. Ewalt

Sete Anos Bons Etgar Keret

Trinta e poucos: crônicas
Antônio Prata

Como as democracias morrem
Steven Levitsky e Daniel Ziblatt

Norwegian Wood
Haruki Murakami

Nu, de botas
Antônio Prata

De repente, uma batida na porta
Etgar Keret


Desde 2016 venho listando as minhas leituras anuais. Veja que livros foram lidos por aqui em anos anteriores: 2017, 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Mais ouvidas em 2018


Desde 2016 venho listando aqui no blog as minhas estatísticas de músicas e discos ouvidos. Os anos anteriores ficaram assim: 2017 e 2016 e 2004.

Todos as estatísticas anuais estão reunidas aqui.

Paternidade em tempos de YouTube

No dia em que Nina nasceu recorri ao YouTube para aprender como segurar um recém-nascido e trocar fraldas. Dois anos depois fiz o mesmo para conseguir desembaraçar o seu cabelo.

Não há, porém, YouTube que me treine para pôr touca de natação de maneira aceitável.

Carimbo

Tento pegar um remédio para Nina na Farmácia Popular e atendente nega. Motivo: a médica havia carimbado apenas uma das duas vias da receita. 2018 e o carimbo continua umas das invenções mais estranhas da humanidade.

Mário Prata já tinha cantado essa bola.

Trinta e poucos

Motivado após ler varias colunas de Antônio Prata, tive hoje o meu primeiro contato com o autor através de livros.

De volta à Florença renascentista


Imagem de divulgação do jogo Assassins Creed II (Ubisoft)

No último domingo voltei a jogar Assassin’s Creed II. Eu havia comprado uma cópia digital do jogo pouco depois de pegar o meu Xbox One, em 2016.

Antes de recomeçar o game da Ubisoft, procurei as estatísticas da primeira tentativa e vi que eu já tinha pouco mais de 7 horas de gameplay. Mesmo assim, optei por começar do zero mais uma vez. Além de não lembrar dos comandos, já estava esquecido dos principais elementos da narrativa.

Na realidade, a motivação para voltar ao jogo veio após ouvir, num Braincast, as impressões de Carlos Merigo sobre o Assassin’s Creed Origins, e sobre como o debute de Ézio na franquia continuava convincente. Fiquei realmente bastante empolgado após recomeçar. Mesmo considerando que os gráficos parecem ter envelhecido muito rápido após cerca de 9 anos de lançamento e constatando que algumas mecânicas são bem repetitivas, a narrativa do jogo é muito cativante.

Acredito que desisti durante a primeira tentativa por ainda não estar tão acostumado aos controles analógicos de jogos em terceira pessoa. À época eu havia recém comprado meu Xbox One e quando tive o 360, joguei muito pouco. Dessa forma, faltava-me habilidade e segurança para encarar os controles dos videogames modernos. Esses dois anos de imersão nos game trouxeram-me mais segurança e destreza, de modo a ter bem mais facilidade para encarar desafios que o jogo propõe, nessa nova investida.

Também penso que a ansiedade para jogar o máximo de títulos possíveis num curto intervalo de tempo tenha me feito pular de um jogo para outro, me levando a abandonar vários gameplays iniciados. Penso que controlei melhor essa ansiedade. Tenho comprado menos jogos e aceitado olhar com mais atenção para a grande biblioteca que acumulo no console da Microsoft. Inclusive outros títulos da série da Ubi: Assassin’s Creed III e Brotherhood.

Tenho constatado que os jogos em terceira pessoa costumam me cativar mais. Desde que voltei a ter uma rotina gamer, a partir do segundo semestre de 2016, os games que têm me dado vontade de continuar e me prendido pela imersão, têm essa premissa.: Watch Dogs, GTA V, Zelda Breath of The Wild e o próprio ACII.

Cheguei a tentar jogar novamente Fallout 4, mas a experiência em primeira pessoa não tem me atraído tanto.

Enfim 2018

A gente tenta fugir do clichês, mas alguns deles nos engolem. O ano no Brasil só começa após o Carnaval. O efeito psicológico que a festa momesca ao servir como marco para início efetivo do ano é impressionante. Especialmente para mim, cujas férias sempre acontece, em janeiro. Quando o Carnaval ocorre no começo de fevereiro, a sensação fica ainda mais forte.

Ontem, quarta-feira de cinzas, foi dia de fica em casa. Passei a manha use toda no computador, lendo coisas relacionadas a produtividade, incluindo referências e casos de pessoas anônimas que usam esse Day One para manter um diário. Passei um bom tempo desligado de conteúdo escrito sobre tecnologia, aplicativos. Mas uma certa inércia provocada após refletir sobre o meu uso de rede sociais me levou a algumas escolhas.

Saí de uma série de grupos de Whatsapp, apaguei o aplicativo do Facebook do meu telefone (acabei de fazer o mesmo em relação ao iPad do qual escrevo), e deixei de seguir uma série de perfis no Twitter e Instagram. Tudo seguindo a máxima de usar o meu tempo de uma forma mais proveitosa e de tentar amenizar a ansiedade que o uso dessas formas do conexão trazem.

Venho refletindo bastante sobre a passividade no consumo de conteúdo que o Facebook e similares incitam. Sinto falta de um tempo não muito distante em que o meu uso da internet era mais proativo, sem depender do que o algoritmo das redes sociais azuis me sugerem. Seja lendo e participando de fóruns como o Making Off, ou visitando os próprios sites produtores de conteúdo, tenho uma certa saudade de como a internet funcionava para mim antes do estabelecimento do Facebook, em especial.

Na busca por mais autonomia sobre o meu consumo digital, me vi voltando a utilizar o a Feedly, seguindo novos conteúdos ou retomando alguns antigos dos quais já fui fiel leitor. Mesmo considerando que devo realmente reduzir minha presença nas redes sociais, preciso ter cuidado para não me abarrotar com um feed cheio de noticiais não tão significativas, que acabariam me privando daqueles conteúdos que eu já havia decidido priorizar em 2018: livros e filmes.

Ainda não engrenei em nenhuma leitura nesse ano. Recomecei a ler o “Sapiens” em janeiro, mas o livro ainda não me fisgou. Vou tentar como estratégia manter duas leituras simultâneas: um livro de ficção e outro de não-ficção. O obstáculo que vim colocando para mim mesmo nas últimas semanas é que precisava encontrar a leitura ideal no Lelivros ou comprar algo novo na Amazon. Mas não posso me enganar. Minha estante e Kindle estão cheios de coisas esperando a minha atenção.

Pela praticidade, dessa vez vou priorizar o e-reader e começar hoje mesmo o último de Murakami que pus do leitor.

Filmes vistos em 2017


Montagem automática gerada pelo Letterboxd com os pôsteres de todos os filmes que assisti em 2017

Desde 2016 passei a registrar os filmes que assisto. Foi quando comecei a utilizar o Letterboxd, uma rede social/plataforma voltada para cinema. Além do fator social, de poder acompanhar o que as pessoas que você segue têm assistido e que impressões têm postado, o Letterboxd tem um sistema de estatísticas fantástico que gera dados a partir das películas que você registra por lá.

No meu year in review de 2027, a plataforma me avisa que assisti 42 filmes ao todo.

Seguem abaixo algumas estatísticas geradas pelo Letterboxd para os filmes que assisti ao longo do ano.


Resumo 2017


Distribuição anual e semanal de filmes assistidos


Primeiro e último filmes assistidos em 2017


Filmes assistidos por país


Gêneros, países e idiomas


Atores e atrizes mais assistidos em 2017


Desde 2016 venho reunindo aqui no blog as estatísticas que o Letterboxd gera a cada ano. Veja como foi nos anos anteriores: 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Livros lidos em 2017

Com um Xbox One e um Nintendo Switch em casa, em 2017 a leitura comeu poeira para os videogames. Mas, para manter a tradição por aqui, segue a relação de livros lidos ao longo do ano.

Rita Lee: uma autobiografia
Rita Lee

Escrevi um pouco sobre a autobiografia de Rita Lee [aqui], (https://felipetavares.me/rita-lee-por-ela-mesma).

Tudo que é ruim é bom para você: como os games e a TV nos tornam mais inteligentes
Steven Johnson

Ultralight: the zen habits guide to traveling light & living light
Leo Babauta

A guerra dos consoles: Sega, Nintendo e a batalha que definiu uma geração
Blake J. Harris


Desde 2016 venho listando as minhas leituras anuais. Veja que livros foram lidos por aqui em anos anteriores: 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Mais ouvidas em 2017

A tentação de culpar Nina pelos resultados inesperados, é grande. Mas pode botar “De Nada” e “Se enamora” na minha conta.


Desde 2016 venho listando aqui no blog as minhas estatísticas de músicas e discos ouvidos. Os anos anteriores ficaram assim: 2016 e 2004.

Todos as estatísticas anuais estão reunidas aqui.

10 anos de encontro com a majestade


Eu, Reginaldo Rossi e Márcia. Recife, 07 de dezembro de 2007

Ir ao cinema na província

Ontem, feriado dos Mártires de Cunhaú e Uruaçú, fui ao cinema com Nina e Márcia. Estávamos pensando em algo para entreter a pequena e numa rápida pesquisa na programação de filmes da cidade, vi que o Lego Ninjago seria uma boa opção

Rapidamente trocamos de roupa e rumamos para o Cinemark do Midway.

Ainda não tinha visto nenhuma animação baseada no universo do brinquedo mais famoso da Dinamarca e fiquei bastante surpreso com a qualidade da produção. Detrator confesso do 3D no cinema, achei que as três dimensões couberam bem ao desenho. Fiquei curioso para ver outros desenhos da franquia.

Mais uma vez, constatei que passar muito tempo nos espaços públicos natalenses trazem o risco de sermos expostos a absurda ausência de civilidade que impera na província. Seja no trânsito, filas de banco ou estádios de futebol. Todo dia algo para lamentar.

Ontem, uma senhora que sentava atrás de mim e , ao que indica, estava com os netos, entretia uma das crianças que acompanhava com algum conteúdo que explodia em sons e luzes de um telefone celular.

O mais lamentável da situação é que a senhora parecia convicta de não estar fazendo nada de errado. Após ouvir chiados que imperavam silêncio, chegou a dizer que só desligaria o telefone, para evitar ter que brigar.

A minha formação me impele a relativizar a situação, considerando que a mal educada em questão vem de outro tempo, teve outra educação e não é totalmente culpada da falta de senso coletivo. Sem ironia, até concordo com esse abrandamento. O que dói é constatar que em Natal a a confusão do público com o privado e a falta de civilidade não são questões generacionais e que a minha Ninoca provavelmente ainda viverá numa cidade em que o egoísmo e o pensamento pequeno ainda estarão em voga.

De volta aos videogames

No último mês de junho, completou-se um ano desde que voltei a jogar videogame após comprar um Xbox One. Podcasts e canais de YouTube que eu acompanho despertaram em mima vontade de retomar esse hobbie que cultivei durante muito tempo e que esteve latente desde que eu encostei o meu Master System e deixar de ir aos playgames próximos a casa dos meus pais.

Na realidade, tive consoles em quase todas as gerações passadas. Em 2012 e 2013 experimentei o Xbox 360. Em 2010 comprei um Wii e passei algum tempo com ele. Antes, por volta de 2006 ou 2007 (não lembro bem), atrasado, cheguei ao PS2. Mas, mesmo tendo passado por lançamentos recentes da Sony, Microsoft e Nintendo, não me envolvi intensamente.

O motivo é que entre 2003 (talvez até antes) e 2015, estive fortemente envolvido com música, seja tocando, fazendo shows ou produzindo. Nesse intervalo de tempo também concluí minha graduação e mestrado em História e comecei a atuar como professor. Mas a minha atividade musical - sobretudo no SeuZé - consumia praticamente todo o meu tempo livre, ainda que eu fizesse tudo isso com gosto.

Dessa maneira, não consegui me dedicar suficientemente aos games. No PS2 fui fisgado por Shadow of The Colossus e joguei um pouco de PES. No Wii joguei bastante Mario Kart e Wii Sports, além de ter visitado outros jogos como Silent Hill e Godfather. Já no Xbox 360, fiquei muito tempo no Fifa e passei por Call of Duty e Assassins Creed. Fora isso, não consegui ir além.

Na realidade, quando comprei os consoles mencionados acima, o meu maior interesse era pegar o Fifa do ano e desafiar alguns amigos ou tentar partidas online. Mas a prioridade que eu dava às outras atividades nas quais estava envolvido me fazia sentir um certo sentimento de culpa por passar horas do meu tempo precioso sentado no sofá e encarando desafios virtuais.

Essa nova investida no mundo dos videogames tem sido diferente. Estou verdadeiramente envolvido a ponto de encarar a mídia como meu hobbie favorito. Nesse pouco mais de um ano joguei bastante no Xbox, mas também dediquei muito tempo a outros sistemas, sobretudo antigos.

Montei uma pequena máquina de emulação baseada numa placa Raspberry Pie e tenho acesso a praticamente todos os consoles das gerações de 8, 16 e 32 bits. Foi lá que finalmente consegui zerar Alex Kidd, do Master System e Super Mário Word, no Super Nintendo, por exemplo.

Em junho desse ano entrei no mundo dos portáteis a partir de um Nintendo 3DS e fiquei impressionado como a Big N tem domínio sobre os pequenos consoles. Não tive contato com nenhuma versão de Gameboy nem dos DSs anteriores e fui fortemente impactado pela jogabilidade de jogos como Super Mário 3D Land e Mário Kart 7. Também foi através do 3DS que pude enfim conhecer melhor e zerar o Super Mário Bros de 1985, do Nintendinho.

Há algumas semanas instalei meu Wii na TV da sala e ainda estou em êxtase com o New Super Mário Bros. Que jogo delicioso!

Acho improvável que essa reconexão que tive com os games seja passageira. A despeito da empolgação com jogos novos e antigos, estou profundamente envolvido com a cultura dos videogames. Podcasts como o Pouco Pixel, o Jogabilidade e o 99 Vidas, bem como canais de YouTube dedicados a analisar a mídia sob diferentes prismas têm me dado algum embasamento para apreciar esses jogos eletrônicos de uma forma mais contextual e analítica.

Também tem sido divertidíssimo o contato com uma bibliografia que eu desconhecia e que aborda aspectos diversos dos videogames como mídia. No momento estou avançando na leitura de A Guerra dos Consoles, que busca reconstruir de maneira bastante leve os bastidores da disputa Sega x Nintendo entre o fim dos anos 1980 e a primeira metade da década de 1990.

A empolgação é tamanha que cheguei mesmo a pensar em produzir algum conteúdo sobre o tema, seja na forma de podcast ou de blog. Na verdade não desisti totalmente da ideia. Mas dada a complexidade de colocar qualquer dessas ideias em prática e a ânsia por escrever sobre o tema, optei por aproveitar esse espaço que já estava pronto e sem perspectiva de uso. Resolvo os dois problemas de uma vez.

Pendências resolvidas


Super Mario Bros (1985) do Nintendinho devidamente zerado.

Do ano passado para cá venho numa jornada quase arqueológica revisitando e jogando pela primeira vez alguns jogos das gerações de 8 e 16 bits que eu nunca havia terminado.

Continuo jogando os lançamentos do Xbox One e outros jogos mais modernos, mas a Nintendo conseguia (e ainda consegue) criar experiências ideais para a minha rotina de gamer-pai-músico-professor. Recompensas em intervalos de tempo mais curtos e mecânicas simples, mas desafiadoras.

Muito massa ter chegado ao fim de um clássico que não joguei na “época certa” dado a minha infância seguista.

A estreia do bigodudo nos 8-bits da Big N envelheceu muito bem.

Centenário


Estádio Centenário, Montevidéu. 30 de junho de 2017 (Foto minha)

Saímos mais tarde de casa do que eu gostaria. Por volta das 11h. Mas o nascer do sol tardio para os padrões natalenses e o frio matinal do inverno montevideano, justificam, em parte, nosso atraso.

Começamos o programa do dia com um passeio na orla da cidade, seguindo a famosa Rambla. Saímos de Punta Carretas em direção a Pocitos. Quem é acostumado com a orla de cidades nordestinas como Natal e especialmente Maceió, a “via costeira” de Montevidéu não impressiona. O fato de eu já ter conhecido o Rio da Prata em Buenos Aires e Colônia, também contribuiu para enfraquecer a impressão que tive da costa da cidade. De toda forma, fui impactado pelo casamento da paisagem natural com a arquitetura sessentista dos prédios da Rambla.

Talvez por se tratar de um dia de semana, senti a falta de mais pessoas caminhando ou se exercitando pelo calçadão daquela que parece ser uma das áreas mais nobres da capital uruguaia.

Continuamos caminhando até o letreiro da cidade, tal qual o que inauguraram recentemente em Natal, na Praia de Areia Preta. Pausa para fotos e vídeos de turista e decidimos voltar ao nosso ponto de origem, dessa vez caminhando por dentro do bairro de Pocitos. Em geral, achei a paisagem dessa área de Montevidéu bem parecida com Copacabana e outros bairros da Zona Sul carioca.

Um dos momentos mais legais desse dia de flanagem, foi chegar, por acaso numa feira de alimentos, de rua. Para quem tinha como referência as feiras natalenses, aquela uruguaia me encantou bastante. Fiquei surpreso com a aparência, tamanho e suposta qualidade dos vegetais expostos. Também não passaram despercebidos alguns trailers/caminhões que vendiam diversos tipos de queijos e embutidos.


Feira livre em Pocitos, Montevidéu.

Mas um pouco de andança pela região e acabamos chegando no lugar que havíamos escolhido para almoçar: o restaurante Le Perdiz. Mais uma vez fomos em busca dos assados do Uruguai. Mais uma vez foi uma experiência ímpar degustar a carne do país. É impressionante como eles conseguem conciliar uma carne extremamente macia, limpa e no ponto certo. Não lembro se já abordei isso em textos anteriores sobre essa viagem, mas eu saí do Brasil com um certo receio dos preços dos restaurantes do Uruguai. Os blogs e demais fontes que consultei alertavam para esse fato. No fim, achei tudo meio compatível com o preço que se pratica em Natal. Considerando que estamos pagando cerca de R$ 50 por pessoa em churrascarias nobres da cidade é que gasto isso ou mais quando vou, por exemplo, ao Rachid’s, penso que está bem razoável.

Após o almoço, nos separamos em dois grupos e rumamos em direção ao Estádio Centenário. Mais uma vez achamos mais fácil tomar um Uber do que outras formas de transporte.

Provavelmente Montevidéu não precisa de um sistema de metrô. Os ônibus não aparentam andarem muito lotados e parecem chegar a praticamente toda a cidade, mas confesso que fiquei um pouco mal acostumado com as facilidades do metrô de Santiago.

A ideia de programação para o estádio-sede da Copa de 1930 era uma visitação ao Museo do Futebol. Assim foi feito. No geral, achei o museu bastante desorganizado. Não há uma lógica na disposição dos itens expostos. Não se sabe se estão organizados de maneira temática ou cronológica. Inclusive há a presença de uma série de objetos que não são diretamente ligados ao esporte bretão. É o caso de alguns cartazes de jogos olímpicos.

O segundo andar do museu tinha itens mais interessantes, como troféus e camisas de clubes e da seleção do país.

Mas a melhor parte da visita ao museu foi poder entrar e contemplar o estádio a partir da arquibancada. A minha ligação com o futebol, por si só, já seria suficiente para que uma ida ao Centenário me emocionasse de alguma forma. Mas, por razões desconhecidas, vim nutrindo ao longo da minha vida um tipo de admiração pelo futebol uruguaio. Até consigo listar alguns episódios esporádicos em que a mística da celeste e do futebol uruguaio como um todo me tocaram, como a final da Copa América de 1995, as oitavas de final da Copa de 1990 e a graça de ter sido pego de surpresa ao poder ver um jogo do Penharol, em Colônia, em janeiro de 2011.

Estar no Centenário, ainda que apenas na condição de visitante, trouxe-me uma emoção diferente. As condições gerais do estádio me surpreenderam positivamente. A impressão que construí nos últimos anos, ao assistir partidas e reportagens pela televisão, era a de que o estádio estava em condições de conservação piores do que as que de fato encontrei.

A vontade de assistir uma partida naquele templo do futebol tomou conta de mim tão logo deixei as arquibancadas. Passei tanto tempo deslumbrado que quase perdi a hora de mais uma etapa do tour: uma visita ao mirante daquele equipamento esportivo. Segundo a guia que acompanhou a mim e Marcia, aquele era o ponto mais alto da cidade para uma mirada em 360º.

Experiência interessante, ter uma impressão das cercanias do estádio de um ponto tão alto, mas o Centenário parecia imantado em relação aos meus olhos. Logo esqueci da paisagem mais ampla de Montevidéu e voltei minha atenção para o templo do futebol uruguaio.

Infelizmente, a lojinha do museu estava fechada quando eu e Márcia concluímos nossa visita, mas os últimos momentos no lugar foram suficientes para que os gentis funcionários, ao perceber meu deslumbramento, me informassem que o jogo do Nacional, que acontecerá amanhã - e eu imaginava que ocorreria em outro campo - será ali mesmo, no Centenário. Confirmei a informação na bilheteria, mas preciso descobrir onde posso comprar minha entrada, já que, por alguma razão, os ingressos não serão vendidos no palco do espetáculo.

Após deixar o museu, demos uma volta no mesmo parque em que já estávamos. Como de praxe, havia muitos brinquedos de criança e Nina se fez. Num dado momento foi interessante ver Nina interagindo com uma garotinha montevideana com idade semelhante a dela. Mais uma vez fomos bem recebidos por locais da cidade. O pai da nova colega de Nina foi bastante gentil e nos ajudou bastante ao indicar o local correto para pegarmos o ônibus que nos levaria de volta a Punta Carretas.

Dia para ficar na memória.

Quando um flanneur brasileiro encontra um dos carrascos da Copa de 50


Calou o Maracanã em 50

Em janeiro de 2011, eu e Márcia fomos a Buenos Aires acompanhados de Gabriela e Louise. Naquela ocasião, eu não me preocupei nem um pouco com a programação da viagem, confiando às garotas a tarefa de elaborar o roteiro. Marinheiro de primeira viagem em viagens para o exterior, acatei aquilo sem problemas e gostei bastante das escolhas que elas fizeram.

Acontece que voltei daquela viagem decidido a ser mais proativo no planejamento das minhas próximas investidas fora de Natal. Em quase todos os destinos para os quais fui a partir de então, me envolvi bastante na pesquisa sobre os lugares, chegando mesmo a gostar daquela tarefa.

Um misto de preguiça e desprendimento me fez despreocupar com o planejamento do que faria em Montevidéu. Cheguei a pesquisar em várias fontes, de blogs a vídeos, mas acabei sem sistematizar as informações que colhi em algo como um roteiro. O resultado é que cheguei com uma impressão geral sobre o que fazer na capital uruguaia, mas não tenho a menor ideia do que faremos em cada dia.

Em nosso primeiro dia completo em Montevidéu, iniciamos o dia - já perto do início da tarde - com uma exploração do Centro. Tomamos um ônibus, cujo motorista nos avisou quando descer para que estivéssemos próximos à Cidade Velha.

O ponto de partida que escolhemos foi a Praça Independência, um dos cartões postais da cidade (não que isso me valha alguma coisa). De cara, chamou-me a atenção a sobriedade do prédio em que está sediada a presidência do país. Funcional e de uma beleza discreta. Provavelmente, estou chegando ao Uruguai com visão exageradamente positiva, dada a desesperança que gira em torno da situação político-econômica do Brasil. Mas é impressionante constatar como um país de formação histórica semelhante à brasileira, funciona minimamente.


Imediações da Praça Independência. 29 de junho de 2017

Andamos meio aleatoriamente pelo Centro, no intuito de chegar ao Mercado do Porto, onde almoçaríamos. Entramos pelo portal da Cidade Velha e seguimos por uma espécie de passeio público margeado por lojas instaladas em prédios antigos.

A primeira parada mais demorada foi na Praça da Constituição, na qual se destacou uma espécie de igreja matriz. Não foi difícil constatar a influência espanhola no estilo arquitetônico daquele edifício católico. Construção horizontalizada e sobriedade na forma que remetem diretamente às paisagens coloniais do norte do México.

Na sequência, seguimos o caminho e chegamos ao mercado do porto. Eu esperava um lugar mais caótico e inóspito, mas encontrei outra realidade. O calor das churrasqueira dos restaurantes funcionam como aquecedor para o inverno da cidade. Realmente, é de se imaginar que durante o verão a sensação não seja das melhores. Como o objetivo daquele almoço era ir a um bom lugar de carnes, escolhemos a primeira churrascaria que parecesse agradável e me surpreendi com a qualidade da comida.

Saindo do mercado, optamos por seguir em direção à 5 de julho, onde se localiza boa parte do comércio de rua da cidade. Fiquei impressionado com a quantidade e variedade de lojas, mas logo relacionei essa característica à timidez do Punta Carretas Shopping. Aproveitei o deslocamento e parei na Antel, a estatal de telecomunicações do país. Ainda na Cidade Velha eu havia comprado um chip pré-pago da operadora e não consegui fazê-lo funcionar. No fim das contas, entendi como funcionava o processo, mas por alguma razão os meus créditos acabaram bem antes do que eu imaginava.

Eu, Márcia, Nina e Gabi optamos por voltar caminhando para o nosso Airbnb e foi uma ótima experiência, já que cruzamos a fronteira entre o Centro e uma área mais residencial da cidade.

Chegamos por acaso a um ponto turístico da cidade: uma daquelas grades onde turistas abobalhados prendem cadeados. Na mesma esquina havia uma estátua de um dos carrascos brasileiros na Copa de 1950: Giggia. Também estávamos em frente a uma sorveteria na qual decidimos entrar. Sorvete ok. Mas o melhor dessa pausa foi poder observar, sem ser visto, um mexicano assistindo a semi-final da Copa das Confederações entre o seu país e a Alemanha. Sou bastante curioso para ver como pessoas de outros países lidam com as questões que me interessam. Futebol certamente é uma delas.

Após isso, caminhamos cerca de 1h30 até chegarmos a nossa hospedagem. Excetuando-se uma ladeira ou outra, flanar pela capital uruguaia é, sem duvida, uma experiência que pretendo repetir outras vezes.

Montevidéu pela primeira vez


Minha rua em Montevideu pelos próximos 6 dias

Sobretudo pelo meu gosto por futebol e pela seleção uruguaia, há muito tempo cultivei uma curiosidade sobre Montevidéu. Depois de alguns dias em Santiago, hoje chego na capital uruguaia cheio de empolgação.

Exame de sangue e The Witcher

Duas horas de exame de sangue para uma curva glicêmica. Vamos ver se o bruxo Geralt de Rívia ameniza a espera.